O TÚMULO DO MESTRE IRINEU
Por Juarez Duarte Bomfim [1]
 

 

No seis de julho de 1971 o Mestre Raimundo Irineu Serra fazia a sua passagem para o mundo espiritual. Pouco antes disso, pessoalmente ele escolheu o local onde deveria ser deitado o seu corpo a terra fria, em terras da sua propriedade, no Alto Santo, atual Vila Irineu Serra, em Rio Branco-Acre.

Pisei na terra fria
Nela eu senti calor
Ela é quem me dá o pão
A minha Mãe que nos criou

Foi em um lote de terra em frente a sua residência, do lado oposto ao antigo ramal, atual Estrada Raimundo Irineu Serra. Hoje, na antiga moradia do Mestre Irineu está abrigado o Memorial da Doutrina, situado ao lado esquerdo da residência da Madrinha Peregrina Gomes Serra, viúva do Mestre e dignatária do CICLU Alto Santo.

Vizinho ao túmulo do Mestre, localiza-se a casa de Leôncio Gomes da Silva e familiares (na Estrada Raimundo Irineu Serra, nº. 3838). Seu Leôncio foi designado para ser o presidente do Centro Livre fundado por Mestre Irineu. A escolha do lugar foi para que os familiares do seu Leôncio assumissem a responsabilidade pela limpeza, organização e segurança do recinto sagrado.

Dona Hortênsia Gomes, filha do seu Leôncio, cumpriu com eficiência essa missão até a sua passagem para a vida espiritual, em 2004. Hoje os cuidados com o Túmulo são da responsabilidade da própria Madrinha e as mulheres da irmandade.

O Túmulo do Mestre Irineu é lugar de devoção e peregrinação dos seus devotos; pouso dos aflitos, consolo dos desesperados que ali vão meditar e orar, em busca de uma luz, uma instrução.

É sítio também dos afortunados merecedores da Providência Divina que para lá se deslocam no intuito de agradecer as graças alcançadas. Lugar de pagamento de promessas, a prática de fiéis depositarem ex-votos no Túmulo foi desestimulada pela administração do lugar, e caiu em desuso. Ali não mais ocorre esse tipo de manifestação religiosa popular.

A ambiência é perfeita para o recolhimento meditativo: o Túmulo é envolvido em um lindo jardim de belas flores, onde silenciosos chegamos a este jardim e rogamos a Piedade da Mãe Divina.

Ás vezes alegres vozes de crianças se ouvem ao longe, na vizinha Escola Raimundo Irineu Serra, herdeira da Escola O Cruzeiro, fundada pelo próprio Mestre Irineu.

Em meditação, sentimos a luz e força irradiada de dentro daquele mausoléu de azulejos azuis, e lembramos dos versos de conhecido hino doutrinário: "muitos pensam que é falecido, mas é vivo meu São Irineu"...

Sobre a tumba foi esculpida uma Cruz de Caravaca, logo abaixo está incrustada uma fotografia de Raimundo Irineu Serra com as datas de nascimento e falecimento (15/12/1892 – 06/07/1971). Depositados sobre o jazigo estão vasos de flores um porta-retrato com a fotografia do Mestre Irineu e permanentemente muitas velas acesas, sinal de eterno zelo dos seus fiéis pela memória do Querido Padrinho Irineu.

Á esquerda do sepulcro do Mestre descansa o corpo de Leôncio Gomes da Silva (11/02/1918 – 17/03/1980); à direita estão depositados os despojos do amigo e discípulo de primeira hora José Francisco das Neves Junior (22/10/1908 – 08/10/1990).

À direita dos túmulos dos três amigos e companheiros em Cristo encontramos um busto do Mestre Imperador Raimundo Irineu Serra Juramidam, feito em cimento e gesso e pintado de tinta metálica prateada: nesta iconografia o Mestre é representado com os olhinhos fechados, mirando... 

Para garantir a memória e preservação do lugar, em 05/09/2006 um conjunto de edificações no Alto Santo foi tombado simultaneamente como patrimônio histórico e cultural de Rio Branco e do Acre, por decretos simultâneos do então governador Jorge Viana e do prefeito Raimundo Angelim. Entre outras edificações, o Túmulo do Mestre Raimundo Irineu Serra foi declarado Patrimônio do povo acreano.

Nesse recinto acontece na tarde de seis de julho, a partir das quatro horas, o principal evento anual de congraçamento de todos os centros livres daimistas que porventura possam estar ali representados: a Santa Missa rezada pela Madrinha Peregrina em memória do aniversário da passagem de Raimundo Irineu Serra para a vida espiritual. Após o ato litúrgico, todos se dirigem para os seus respectivos centros e igrejas para cantar o Hinário O Cruzeiro Universal, em louvor ao Divino Pai Eterno e a Rainha da Floresta.

Meu corpo na sepultura
Desprezado no relento
Alguém fala em meu nome
Alguma vez em pensamento?

***

[1] Juarez Duarte Bomfim é professor universitário na UEFS-Bahia. Sociólogo e Mestre em Administração pela UFBA. Doutor em Geografia pela Universidad de Salamanca-España.